quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

POESIA NA CÂMARA - POESIA SEMPRE

Hoje, estive na Câmara Municipal de Belford Roxo, para tratar de assuntos referentes ao Sarau Poesia Na Câmara.
A Câmara, que está com ares de igreja, não por conta de rezas ou orações, mas por conta do grande número de pessoas que por lá circulavam aos lotes, para solicitar, alguma coisa.
Parece até, aquela história medieval, de que colonos pagãos, por estarem a sofrer de escrufulo (manchas e feridas em erupção na pele durante o período da peste negra) e, que por conta deste fato, corriam a serem tocados pelo rei, que detinha o poder de curá-los, por conta de seu poder atemporal, com o tal toque.
E eles faziam esta peregrinação duas vezes por ano...De forma incessante...Mostrando assim, que o rei, a ninguém curava...Mas sim, alimentava a esperança e a fé do milagre...Alimentava a certeza da necessidade do milagre.

Não fora a primeira vez que entrava na Câmara Municipal de Belford Roxo. No ano passado por conta dos acertos para a realização do Sarau Poesia Na Câmara, e ainda, da própria realização do evento, tive o prazer de lá estar várias vezes. Este ano, eu já havia estado por lá, ao menos uma dúzia de vezes, tentando falar com o diretor geral da casa, o Sr. Flávio, sem sucesso – início de legislatura e governo – muito a ser feito em pouco tempo...Sempre entendi a situação o que não me impedia o muxoxo.

De cara a CMBR impacta. Não por conta de algum luxo ou beleza, mas sim, por ser o centro do poder em Belford Roxo. Entre o impacto da chegada e o alívio do ar condicionado central...Super fresco...Surge o atendimento, super hiper personal, do agente Vital, que camarada educado meu...Revezando o atendimento telefônico e o de visitantes com um companheiro seu (não lembro o nome) e ainda com o bródi das antigas e motociclista do Motoclube Cowboys do Asfalto, Maurício Piu...A coisa ali flui de forma muito bacana.

Quem conhece este maldito poeta sabe que ele, o Duílio Egon (Pastor da Rebeldia), segundo Renato Aranha, não fica a rasgar seda por demagogia ou interesse pessoal.

Após tantas idas e vinda infrutíferas...Hoje...O trato foi especial...Atendido pelo diretor administrativo Dr. Fabiano e ciceroneado por Maurício Piu...Na recepção mesmo eu abri o notebook e explanei ao diretor, atento, o que é o Sarau Poesia Na Câmara e mostrei em fotos o que foi o projeto no ano passado...

O diretor comprou a idéia e comentou da importância institucional deste projeto cultural. Em suas próprias palavras falou das marcas culturais que várias Cidades do Rio de Janeiro tem, citou inclusive algumas da Baixada e lamentou não ter Belford Roxo, nada que o caracterize e que seja uma marca da Cidade.
EU, poderia ter feito ali uma intervenção e citar o reggae. Dizer que Belford Roxo é a Cidade do reggae...Mas pergunto: Ainda é? O movimento se mantém ao nível de poder alguém dizer, Belford Roxo, é a Cidade do reggae?
Não. Infelizmente não. Não podemos mesmo fazer tal afirmação...Mas ainda haveremos de voltar a poder gritar desta forma...O Donana vai voltar e forte.

Depois de oferecer sua própria sala e computador para a produção do ofício que se faz necessário para dar suporte legal da existência da cessão da Câmara, dar conhecimento às datas de utilização dos espaços solicitados (plenário e saguão) ainda me apresentou ao diretor geral Sr Flávio e ao Presidente da Câmara o Vereador Waguinho.

A há...hú...hú!!!!!
Tá liberado. A Câmara é da Poesia por mais um ano ao menos...
Poesia Sempre

.

Um comentário:

Priscila disse...

coisa boa hein!