sábado, 29 de agosto de 2009

SARAU DIGITAL DE SABADO


Sarau Vitual

Sarau Digital

Sarau Sarau


O MEU POEMA É O QUE ESCREVO EM MIM


Me chamam

Poeta Bomba

de papel

na tentativa

de esvaziar minha

letra

ha!ha!ha!ha!ha!ha!


Querem imprimir

em mim

sua poesia vaga

Escrever em mim

seus próprios poemas

cegos

ah!ah!ah!ah!ah!ah!


Que procurem muros

para pichar seus borrões

Que achem suas próprias

paredes, papéis e cadernos

para deitar

seus escritos de bombom

ah!ah!ah!ah!ah!ah!ah!ah!

Não esperem nada

de mim

se não

minha própria

poesia

Em mim se escreve

o meu, o meu e o meu

ébrio poema


ROSEBUD...ROSEBUD...ROSEBUD...ROSEBUD..ROSEBUD


Por todo o tempo vivido em trabalhos mal remunerados

Rosebud

Por todo o tempo de trabalho que me tornou um soldado

Um mal soldado, um mal estar ambulante...Um desesperado e bem pago soldado

Rosebud

Por toda tristeza que é ser só...Diante, entre, abraçado e aos risos com a multidão

Rosebud

Pelo fato de não ter conseguido até então entender os meandros, artifícios, desencontros, malefícios,

Malefícios,...

Desencantos em desencontros

E a sordidez

Do viver: Rosebud

Rosebud

Rosebud

Rosebud

Seja lá o que isso significa

Rosebud

O caralho

O caralho a quatro

Rosebud

Por toda a tristeza e solidão do agora

Por todo o esquecimento do querer

Por tudo o que é ser

Por todo Hammelet que existe em mim

Por mim e ainda pelo sim

Talvez ainda pelo não

Pela falta de perdão

Por querer sempre a tua mão

Rosebud

Rosebud

Rosebud

Rosebud

...Rosebud

seja lá o que isso quer dizer

Uma peça entre o ser e o não ser

Quem sabe o ouro atrás de mesquinharias do não ser

O elo perdido entre o ser e o querer

A lágrima escondida e guardada em cheiros no travesseiro

O grito escondido por detrás dos cantos durante o banho

No banheiro

Ou um grito calado que infla o peito

Rosebud

Rosebud

Uma palavra qualquer ou qualquer jeito

De fazer abrir o peito

E em muitas palavras arquitetar um jeito

De chamar atenção

De se dizer poeta

Puto

Solitário

Profeta

Fazedor de poemas

Quem sabe escrevedor de texto que nem vale a pena ler

Um Sylvio Neto qualquer

Quase todo por assim dizer

Ser

De nervuras reais

Visceral , inquieto

Arquiteto e criador até onde sabe ser

Rosebud

Toque para mim

Meu esquema

Dilata

E Dias de Janeiro

Deixe que fique tocando o dia inteiro

O dia inteiro para minha alma

O dia inteiro para minha calma

E me deixe assim...A sonhar com os Bancos de Cor Laranja

Rosebud

Maldito salário de merda que não tenho

Impiedoso emprego pelo qual na busca me empenho

Inefável é a ardência de produzir poemas

Tal qual é o vigoroso embuste de meus dias em sarais

Calor de meus ais...paixão de meu dias

Ah ah ah ah!!!!!!!!!!

Bem que podiam me sustentar

Rosebud


SOU JACUTINGA

Aqui

os rios se entrelaçam

em desenhos

de uma geometria

de vida e de história

E ainda hoje

se desdobram as lutas

e os gemidos jacutingas

donos desta terra

toda cheirosa

dos temperos

de meus ancestrais de África

Do sangue escorrido

Dos jacutingas exterminados

Surge uma terra fértil

A germinar laranjais

E um povo forte e criativo

Com a força do coração

pés e mãos

De meus ancestrais






ENCANTOS DE MEUS CANTOS

Não, não, não

Pense assim

Pois as palavras ditas

Nada escondem

De mim

É verdade

Que contêm laços

E fitas

Mas eu sou mesmo assim

Mesmo quando não há

Palavras a serem ditas

Pois meu peito

É fonte de encantos

E mesmo enquanto canto

Ou danço

M e encontro

E mesmo quando

Em silencio respiro

Ainda há canto

Pois que a vida

está em mim

Há mesmo verdade

Em meus encantos


EM POSTAS À MESA

Sentidos expostos no vazio

Esforços perdidos no chão

Encontros forjados no não

O eu em postas à mesa

Nos acordes cortados a fio

Só mais um dia

Eu imploro

Só mais um coro

Afinado

Meu novo dia não pari o pão

Minhas correntes não desfazem

A solidão

Minhas palavras são clips baratos

E o meu bafo é só mais um blefe

Só mais um dia

Eu imploro

Só mais um coro

Afinado

Sylvio neto


CHORANDO TEUS OLHOS

Com uma navalha

Em uma das mãos

Falta de razão na outra

E Talião no coração

Rasguei teus olhos

E arranquei-o de teu rosto

Teus olhos choraram em minhas mãos

Hoje meus olhos choram teus olhos

Vejo teus olhos nos dias longos

Vejo teus olhos quando a noite

Engole o dia

Vejo teus olhos

Vejo teus olhos

Vejo teus olhos que me cegaram

Em plena luz do dia

Vejo teus olhos

Que me pregaram na cruz

Vejo teus olhos de mentira

Vejo teus olhos de ira

E ainda vejo tua cabeleira

De ouro

E o corpo e alma

Que foram fumaça em meus olhos






CANTLENA

Faze-me entender
muito e mais e além da rima
E ainda da metáfora

Faze-me superar
muito mais que o léxico
tomam-me pelo plexo
alma
sina

Torne-me homem
ensina...
explica...

Quero poder beber a vida
de corpo inteiro
E num respirar mais profundo
inspirar o transpirar do mundo

E em sendo profícuo
tornar menos oblíquo
os movimentos
de cabeça, tronco e membros
Menos raros os olhares
Criar gostos
sem avatares


CANTAR OLHAR


Andando a rua

Em pêlo de noite envolvido

Lua...a banhar

Cantor apaixonado

Poeta de versos

Coração alado

Sem eira e beira

Colecionador de letras

Palavras em feira

Em andar...andar e andar

A olhar sem medo

Em destino a paixão

Poeta menor

De letras grandes

em poesia amor


CANÇÃO FLUMINENSE

Aqui, entre os rios

Bem cedo

Antes de você acordar

Sem medo

Eu posso flutuar

No verde que é um mar

Serra de Madureira, Xerém

Jaceruba, Tinguá

Mais tarde

Quando já é hora

De regar as plantas

Existe um agora

Quase tão lindo

Quanto teu olhar

E o sol se recolhe

Entre o verde que se vai

Vespertino

E dá lugar a vários tons de azul

Do claro céu ao escuro marinho

Que encerra em véu

Mata Atlântica, Pau Brasil, Verde Brasil

Os rios que brotam do chão

E lavam a Terra ancestral

Dos Jacutingas

São como as lágrimas

Que lavaram a alma

E batizaram este lugar

Carioca, Jacutinga

Tupinambá, Tupiniquim

Ondas azuis e ventos rápidos

De intenções conquistadoras

Trouxeram suas velas

Acesas e infladas

E a intenção da tua intifada

Sua chegada

Foi canção, fado de conquista

Rasgou a alma, rompeu a calma

Natural do meu mundo

Sua vela em cruz

Queimou até a última conseqüência

Com seu arcabuz

Minha Mata Atlântica

E o meu povo ajoelhado

Sob o poder da Cruz de Malta

Cantou de bom grado

Colheu de boa intenção

O que era nosso de direito

E deu na tua mão

Aqui jaz:

Serra de Madureira, Xerém

Jaceruba, Tingua

Mata Atlântica, Pau Brasil

Carioca, Jacutinga

Tupinambá, Tupiniquim







Ápice

Abala o coração

Do poeta

A bala

Que fere

E para

Na cabeça bombom

A bala que fere

O poeta

Mata e mata

Sem por que

Ah bala

Doce de criança

Alegria e poesia

Abala

pai, mãe

E a sociedade inteira

Abala o poeta

Bomba de Hebron

Que perde assim

Sua bela fala

Sua musa doce

Bom bom

E hoje rala

Sua fala

Na escrita

poesia

que desmascara

o ápice da ineficácia



ALGUEM ESPECIAL

Posso voar por toda a cidade

Não sei se por causa da idade

Não sei se por conta da fé

Que de quando em vez invade

Minha cabeça de pé no chão

Pura sorte ser alguém especial

E poder usar os bancos de cor laranja

Deste encouraçado genial

Toda a minha sordidez material

Todo folhetim de aluvião

São cortes profundos na ponta da mão

Nas vias aéreas e em toda malha

arterial

Pura sorte ser alguém especial

E poder usar os bancos de cor laranja

Deste laminado espacial

Sou um poeta a cantar

Que de quando em vez insiste

Em ver o mundo de pernas pro ar

Declarando poemas de dedo em riste

Pura sorte ser alguém especial

E poder usar os bancos de cor laranja

Deste encouraçado genial

E a história me toma como memória

Imaterial incrustada em propaganda

A sobreviver ao vírus do Ipiranga

Pura sorte ser alguém especial

E poder usar os bancos de cor laranja

Deste encouraçado genial



A PANELA E A TAMPA

Ou Quando o Amor Desfeito Não Mais Basta Enquanto Memória Olho Furado Que É...

Toda panela tem sua tampa

Não há pés descalços

Que um chinelo não calce

E para executar um plano

Basta a rampa

Quantas vezes foi

Que olhei pro lado e não vi?

Quantas vezez foi que orei

E não ri?

Nem sexta e nem segunda-feira

São vários olhos pra comer

Só uma folha pra escrever

A vida se esvai se marcar bobeira

Quantas vezes foi

Que olhei pro lado e não vi?

Quantas vezex foi que orei

E não ri?

Dos compassos e descompassos

Dos abraços e olhares de amor

Que são apenas traços do que sobrou

Do sol, da chuva e do calor de flor

Daquela que foi meu torpor

E febre de dias intensos

De pensamentos em laços

NA Primeira Parte Do Sarau...Trago Poemas Que A Paisagem , A Paz, Toda Alegria e Ares Que Me Chegam do Mato Verde em Sua Inefável Calma, Exuberância e Beleza de Texturas Vivas...Quando Estou Na Guapimirim de Meus Sonhos Acordado...

Entre e Fique a Vontade

FÊNIX TORTA

Pensei que fosses
A minha Fênix
E que me traria do limbo
Renascido das cinzas
De minha vida morta
Torta, queimada em dor

Pensei que me levaria
Em vôo de emoção
De risos e gozos

Pensei que fosses tudo
Que queria meu EU
Que pudesses aproveitar
De tudo que é meu

Mas tu vais transcendendo
Nas brisas do não
E teu vôo de salvação
É só sonho de meu coração

NÃO EXISTE UMA CANÇÃO QUE SEJA SÓ MINHA

Não existe nenhuma canção

Que seja só minha

Nem estas que componho

E muito menos aquelas apanho

Não existe canção sem poesia

Não existe poesia sem canção

Não existe poesia sem destino

E nem canção de um dono só

Mesmo tendo um coração menino

Me dano por ser poema

Posto que em mim moram

A canção e a poesia

Tenho muito mais que mereço

E disto jamais esqueço

Posto que no poema que soul

Não se bota preço

Não existe uma canção

Que seja só minha

Existem sim...canções...de amor

De paixões e dor

De risos e abraços e de estranhos

E loucos traços

Não existe canção de ninguém

Mesmo tendo sido ela feita

Em especial para um quem

Pois quando chega aos ouvidos

Tem sua liberdade comprada

Em notas

E solta no ar...vive somente de encantar

Pobres e ricos, feios e lindos

Maledetos e cherry´s

Mendigos e lordes, homens e mulheres

Garfos e colheres

O poema não é canção, e canção não é só musica

Não existe poesia sem som, e nem musica sem poesia

Não há poema sem poesia,

Ou estas canções sem melodia

Melodia sem musa é grito, e poema sem poeta

soa sempre esquisito


SALVA A DOR
São Jorge Meu Ogun Tu não pode ser mais De um Posto que és mil Vontades, necessidades e pedidos E os mitos que lhe vão Nas costas Em sua bela e poderosa Capa Transformam sua guerra Em muito mais que fé e orgulho Transformam sua proteção Em muito mais Que esperança Tu és mais que o bem e o mal E está aqui tua espada Sobre minha cabeça Que sofre de dor... Salva... Salva a dor

Sarau do Choppinho Digital


SEGREDOS DE SONHOS SEM DESEJOS


Meu segredo

é luzir o céu de estrelas

em segredos

iluminados de poesia,

samba e dançares

circulados de fogo chama

e odores poematizados

de toda cor de amor

Meu grande sonho

é melar de mel de flores

e produzir sabores

que transcendam desejos,

vontades, tesões

e mesmo iludir de ilusões

verdes, azuis, vermelhas, amarelas

cores de amor e amores de amar

Meu grande desejo

É jamais ter desejo

E tergiversar do rancor

De ter deixado fluir um amor

Em curvas, erupções, voltas

Revoltas e cantos de encantos

- encantados –

do torpor de não ser amor

Ah! Mas se me cura

A palavra poema

E ainda o gosto de suas

Articuladas junções

Apura-me tecer colchas,

Cordas e roupões de letras

incolores

de cores multicores

Na busca da perfeita ação de viver

Sarau do Choppinho Digital




SOL E CHUVAAlinhar à direita

Quando me quero
Soul mesmo
Menos que posso

Quando posso quase ser o que quis
Sou mesmo quase nada
Diante do que já fiz

Sem respostas
E senhor de muitas apostas
Vivo um viver
De ser
Muito menos pelo que já fiz

Não há razão em subjugar o não
E nem subjetivismos impossíveis
Na criatividade do sim
E os meios
São apenas estradas de sol e chuva

Sarau do Choppinho Digital



TEMPO, TEMPO...TEMPO


Por mais que eu tente

Não consigo pegar partículas

Do tempo com a mão

É mesmo hilário

Ver-me aos saltitos a buscar

Microns, segundos e minutos

Que passam esvoaçantes por entre

A dança da vida

Pensar-me agachado aos cantos

Tentando isolar e guardar presos

A palma da mão, milionésimos

Décimos...centésimos

É prestigiar a insana velocidade

Das imagens da vida a vagar

O polegar opositor

Rasga o vento do espaço

De meu tempo

E não trago preso nem um

Lapso de segundo

ou qualquer milionésimo

mícron de momento

Em contrapartida

Carrego em meu peito

de andar contra o vento

Um coração meu

Totalmente surrado pelo

Inflamável e inexorável tempo

De minha história

Tempo real dono de minha memória

E se confesso querer aprisionar

um pentelhésimo momento

é porque sorri, ela, para mim

sem me dizer por quanto tempo

Tempo, tempo, tempo

De meu tempo

A escorrer por minha vida

Sem ao menos me guardar

O melhor momento

Sarau do Choppinho Digital




UMA CANÇÃO DE AMOR VINDA DO ESPAÇO SIDERAL PARA SALVAR MEU ESTRANHO ESPAÇO SENTIMENTAL

Naves espaciais rondam o céu
Sequer trazem um amor de verdade
Para aliviar minha solidão de beijos
Carinhos e desejos

O Mundo fica mais sério...quando ouço
Uma canção – é como se recebesse
Dos deuses africanos uma unção
É como se Caio e Arthur
Me recebessem com um abração

O Teatro Mágico me tira do sério
Mesmo sendo poesia, circo, teatro
E canção – dilatam a minha fantasia
Matam minha sede de alegria
E contemplam quase toda a minha emoção

Preciso dos discos voadores
Vistos por Maurinho e ainda de seus
Estranhos seres, a quem farei pedidos de pés juntos
Braços estendidos, coração, peito e testa ungidos
Para que me tragam um amor especial
Vindo do espaço sideral, um amor saturniano, Plutarco
Urâniano, marciano, interestelar...

Um amor de verdade envolto em bonito pano
Florido ou metálico, fosco ou brilhando
Um amor que não seja chato em exigências
Doente de ser, ser humano

Preciso dos discos voadores, das naves espaciais
Que me tragam seres femininos que sejam poesia
Canção em flor...Que sejam perfeitas em harmonia
Que soem em bom tom, que estejam em boa vontade

Para uivarmos juntos ao céu infinito
Fazer poemas em forma de grito
Sorrir de qualquer canção
Para caminhar na areia, na beira, na eira
Para olhar o sol se por da soleira

Para sermos nós, juntos, a dar bobeira
Para sair do sério vendo e ouvindo
O Cordel de Fogo Encantado
Para tornar o mundo mais sério
Sendo a mesma canção de amor

Sarau do Choppinho Digital




VIDA FRIA


A lua de São Jorge
A lua de meu Ogum
Brilha sobre meu amor

E meu amor
Hoje sem cor
Sem sabor
Sei lá por onde anda

Vou escrever uma carta
Uma carta de amor
Cheia de letras colorias
E palavras com sabor

Uma carta quente
Que me faça reencontrar
Meu amor
Minha cor
Minha vontade de viver
Com calor

Sarau do Choppinho Digital



PALAVRAS ONDE ESTÃO AS TUAS BUNDAS ANCAS?

Preso a poucas palavras
Cruzo estradas molhadas
Ouço Chico Buarque
Cantar o Brasil

Dou adeus ao recanto
Das verdes matas
E de nuvens brancas
Em céu azul

E me pergunto
Palavras: onde andam
Tuas bundas e ancas?

Falta-me ser vários
Falta-me ser maluco

Basta de estar eunuco
Um João Ninguém
De sentidos seminais
E de gestações plurais

E não é culpa
Da emoção, do vocabulário.
Ou de falta de canção...

É mesmo...
Um sabe lá o que
Que me inibe
Todo o verbo e verso

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

UNASul e a Sua R.E.P.O.N


Pensei que conseguiria ficar fora por hoje...Mas, provocado volto...

Quando estava no Exército - sim, sim...eu fui Terceiro Sargento de infantaria, QM 07 101, e serví por muitos anos, lá no Regimento Sampaio, aquele que tem um leão como símbolo e é um histórico e glorioso batalhão, que teve destaque, na Segiunda Guerra Mundial e é ainda aquele mesmo do polêmico coronel Zani, que acusado de ser boiola tomou um pau e ficou envolvido em várias polêmicas...Nem sei que fim teve esta história...

Pois bem...voltando: Enquanto fui sargento do exército, dávamos o nome de R.E.P.O.N para quando éramos convocados/chamados para uma reunião que não dava em nada ou que seu conteúdo era nulo, desinteressante ou vago.

R.E.P.O.N - Reunião Pra Porra Nenhuma!

A reunião da cúpula da UNASul foi uma REPON de responsa...

Back2Black - Na Minha Casa, Por Minha Conta e Risco...


"Se não fizermos por nós...Ninguém o fará... Se não nos levantarmos por própria conta ... Ninguém o fará por nós ...E será mesmo lindo caminharmos juntos...Mãos dadas a colher lírios no tempo"
SYLVIO NETO


Acordei hoje, mais cedo que o normal...Ví uma receita maneira na tv...eu gosto de ver programas de receitas: mandioca cozida, linguiça toscana, leite de coco, molho de tomate, salsa, cebolinha, cebola, pimenta do reino...Tudo junto na panela a ferver por cinco minutos, depois passa pro refratário salpicado com bastante queijo parmezão e forno quente por dez minutos...

Tá, tá, tá...Vou confessar...Ví na Ana Maria Braga...rsrsrs..Ninguém é perfeito...
Ela disse que a receita sai por R$ 11,00 (onze reais)

Depois liguei minha janela para o mundo e, abri meus documentos, minhas musicas (tenho 45 G de musica) e selecionei no Média Player :Martinália, Gnawa Difusion, Angelique Kidjo e a trilha do filme Hotel Ruanda...Coloquei no randômico e estou até agora ouvindo...Mas tarde vou procurar no google, textos sobre a mãe Africa...Sobre as consequências da colonização européia por lá...Sobre as dores do apatheid...Sobre a condição do migrantes africanos pelo mundo...Sobre a condição dos afro-descendentes no mundo...nas favelas...

Vou procurar postar aqui as impressões que me chegarem...

Assim, conseguirei me aproximar mais um tanto do berço da civilização...Lugar mãe, onde a vida humana teve toda a possibilidade ser vida e existir de crescer e se multiplicar...

Para quem não tem 80,00 pratas, para ir ao Back2Black é uma excelente sahída...Esta vibe que por hora trato como rito, só de sacanagem e porque sinto-me excluído não é algo raro em meus dias de aflição e busca de identidade, não...Mas hoje é pura ironia...ironia que me faz sahir ganhando...

Acredito na necessidade do festival, no sucesso de sua ação...Mas não posso deixar de expor aqui, a minha angústia por estarmos de fora eu e, muitos irmãos e irmãs....

hã...o que?
ha sim...tô sendo piegas e babaca tratando pares de cor como irmãos?

Pois sim...Tá bem, Se liga que um festival que tem tamanha divulgação na midia e, que se diz um reencontro com as origens da humanidade e da civilização, que se entende como uma oportunidade para mostar ao mundo e tambem às pessoas, a diversidade, o valor e a riqueza da cultura africana, que se extende por quase todos os paíse do mundo por conta e culpa da violenta diáspora, causada pela escravidão...Deveria no mínimo, ter preços mais acessíves..Para que personas como eu pudessem lá estar....

Não estou falando de se ter pena de mim ou de ninguém de minha cor...Só a preocupação de ter o espaço também ocupado por pessoas de origem afro descendente....Seria uma boa correspondência de integridade com a temática...

ão estou falando de cotas...só de responsabilidade com a ação desenvolvida: Ajoelhou? Então rezaaaaaaaaaaaaaa...

Bom dia....

Não deverei mais ter com vocês hoje....

abraços de poeta
beijos de profeta
e sopro de vida

a todos.....

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

IMPRENSA , INFORMAÇÃO, FORMATAÇÃO E A DITADURA DA VERDADE

Quem frequenta este Choppinho Digital, bar blog interativo e virtual, bem sabe, que eu primo pelo texto autoral...É claro que não há e, nem pode haver gesso e, nem ditadura nesta linha de pensar, posto que cirula por ahê muita coisa (coisa?) maneira, divertida e interessante...

E aqui bar virtual da variedade...Não se pode censurar tais pérolas...Gostei muito desta, que veio em mail de meu irmãozinho (sim, sim... aquele mesmo dos invariáveis 125 Kg mesmo com dieta)

A parada é a seguinte, o texto trata de forma caricata, engraçada e cômica: uma verdade diária...A formatação da verdade...A diária formatação da notícia, nos mais diversos canais que o futuristico hoje, apresenta e oferece...

Se a história da Chapeuzinho Vermelho fosse verdade, como ela seria contada na imprensa no Brasil? Veja as diferentes maneiras de contar a mesma história:

Jornal Nacional (William Bonner): '
Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem...'
(Fátima Bernardes): '...mas a atuação de um caçador evitou a tragédia.'

Programa da Hebe:
...que gracinha, gente! Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?'

Cidade Alerta (Datena):
'...onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? A menina ia pra casa da vovozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva... um lobo, um lobo safado. Põe na tela, primo!
Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não!

Superpop (Luciana Gimenez):
'Geeente! Eu tô aqui com a ex-mulher do lenhador e ela diz que ele é alcoólatra, agressivo e que não paga pensão aos filhos há mais de um ano. Abafa o caso!'

Globo Repórter (Chamada do programa):
'Tara? Fetiche? Violência? O que leva alguém a comer, na mesma noite, uma idosa e uma adolescente?

O Globo Repórter conversou com psicólogos, antropólogos e com amigos e parentes do Lobo, em busca da resposta. E uma revelação: casos semelhantes acontecem dentro dos próprios lares das
vítimas, que silenciam por medo. Hoje, no Globo Repórter.'

Discovery Channel
Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver.
Revista Veja
Lula sabia das intenções do Lobo.

Revista Cláudia
Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

Revista Nova
Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama!

Revista Isto É
Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente.

Revista Playboy (Ensaio fotográfico do mês seguinte):
' Veja o que só o lobo viu'.

Revista Vip
As 100 mais sexies - desvendamos a adolescente mais gostosa do Brasil!

Revista G Magazine (Ensaio com o lenhador)
'O lenhador mostra o machado'.

Revista Caras (Ensaio fotográfico com a Chapeuzinho na semana seguinte):
Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS:
'Até > ser devorada, eu não dava valor pra miutas coisas na vida. Hoje, sou outra pessoa.'

Revista Superinteressante
Lobo Mau: mito ou verdade?

Revista Tititi Lenhador e Chapeuzinho flagrados em clima romântico em jantar no Rio.

Folha de São Paulo
Legenda da foto: 'Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador'.

Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O Estado de São Paulo
Lobo que devorou menina seria filiado ao PT.

O Globo
Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT, que matou um lobo para salvar menor de idade carente

O Dia
Lenhador desempregado tem dia de herói

Extra Promoção do mês:
junte 20 selos mais 19,90 e troque por uma capa vermelha igual a da Chapeuzinho!

Meia hora
Lenhador passou o rodo e mandou lobo pedófilo pro saco!

O Povo
Sangue e tragédia na casa da vovó.

Wagner Montes Agora veja só vocês meu amigo telespectador, minha dona de casa que nessa hora está cuidando do lar, arrumando as crianças para a escola..... vejam só esse covarde de codinome Lobo..... que se acha todo malandrão.... PRA CIMA DELE MINHA POLIÇADA !!!! Alô minha rapaziada da Civil, alô comandante do CORE, aquele abraço, alô meu pessoal do 16º, 22º.... É PRA ARREGASSAR MESMO!!! Bota a cara dele aí na tela produção.... Bota na tela Aí....ESCRAAAAAAAAACHA

VIA MUNDO


PRISCILA VIA BRASIL

A linda Arquiteta Priscila Farias, ou simplesmente Pril Ark, confirma engajamento ao Blogg do Sylvio Neto, fazendo assim a ponte entre a Terra dos Mazzaropiaenses, a bonita Taubaté e o Choppinho Digital...


Seu primeiro trabalho será nos enviar notícias do Fórum Outro Mundo, que rola lá em Taubaté... Vamos estar através dela, dando informações sobre o Fórum Outro Mundo, que é o Fórum de Cultura de Taubaté – FTAC – onde vão acontecer debates, musica, dança, teatro, artesanato e fotografia....


O evento promete...E é agora, agora...Sábado dia 29 de agosto.


LUIZ COUTINHO VIA MUNDO


Luiz Coutinho, brodico das antigas, músico, percussa do tempo do início do Donana e da cena reggae da Pian/Belford Roxo/RJ, diretamente de Austin/Texas/E.U.A, vai passar a enviar notas – e como ele mesmo me informa, será um piloto informativo - para nós ficarmos antenadoa com o mundo..



A rede está ficando grande...Europa, América, Brasil....